Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Escolho as palavras, escrevo entre pensamentos e orientações, interrupções e brincadeiras. Já dizia um dos muros da cidade: “viver não cabe no lattes”. Entre raciocínio e marcações estou observando minha filha brincar; sugiro o lanche, ela se ajeita para comer. 

Deito na cama, agora poderia escrever a pesquisa, mas já estou cansada.

É carnaval, a pandemia nos faz ficar em casa. O mundo lá fora não me dá esperanças, mas aqui há certo “esperançar”. 

Dia desses, ela estava entre pecinhas criando algo, eu disse: “Adoro ver você brincando”. Ela respondeu: “Eu adoro ver você lendo, mãe”. O coração bateu em ritmo carnavalesco: alegre e colorido. Esqueci da pandemia (que nada!), distanciei-me da tristeza lá de fora. Foi tão bom.

A noite vai chegando e o dia se foi, o carnaval será carnaval ano que vem? Não sei, o que sei é que o tal de “um dia de cada vez” tem ajudado nestes meses.

Estamos vivendo e aguardando o “carnaval chegar”, por aqui, nunca fomos tão nós como agora.

Segue o baile, segue a vida, segue a distanciamento… 

C:\Users\Gisele\Desktop\thumbnail_20210215_182525-COLLAGE.jpg

Abraço longe e fraterno de mãe para mãe.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui