Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Já faz uns 2 meses que a minha filha entrou no tão famoso “terrible two”. Mas não se deixe enganar por aquilo que você ouviu. Ou leu. Assim como todas as fases da maternidade, essa também é incrível. Inclusive não entendo por que chamam de “os terríveis 2”. Gosto mais de chamar de os maravilhosos 2 anos.

O meu coração se enche de amor toda vez que a Lara se recusa a escovar os dentes. Tomar banho. Vestir uma blusa. Colocar um calçado. Ser desafiado por aquela criatura de 86 cm é excitante! 

Ver aquela criança querida e meiga se transformando na “menina do Exorcista” é um aprendizado. Como não admirar o pleno desenvolvimento que impele este ser a se jogar no chão, espernear e resmungar coisas ininteligíveis? E quando isso acontece na rua então? Nada é mais satisfatório do que receber olhares de estranhos, ou até mesmo de parentes, julgando a situação. Te achando muito mole. Ou muito duro. Recomendo a experiência a todas as mães e pais. É indescritível.

Outra situação que me enche de alegria é quando eu decido ajudar a Lara em algo e ela se revolta. Ou quando joga objetos no chão. Inclusive aqueles mesmos que ela pediu pra eu alcançar. E aquela sensação incrível de quando você coloca o molho em cima do arroz e isso vira a terceira guerra mundial? Qual mãe não quer ter um bebê de 2 anos agindo como adolescente? Impondo suas vontades? Contrariando os pais?

Fico incrivelmente orgulhosa de ver a Lara mostrando a sua independência e se recusando a fazer praticamente tudo o que pedimos. Mais incrível ainda é saber que essa fase pode durar até os 3 anos. Já pensou? Vou curtir cada momento até lá. Amando cada instante. Eternizando-os nas minhas memórias. E anotações. Por que uma fase tão maravilhosa como essa precisa ficar registrada. Não acham?

Ah, esqueci de dizer que esse texto contém ironia. Caso não tenha percebido, acredito que você se enquadre em uma das 3 situações abaixo:

– Não tem filho.

– Seu filho ainda não chegou nessa idade.

– Você é um ser iluminado com toda a paciência do mundo ou seu filho é um santo. 

Seja qual for a opção, te invejo!

Autora: Bárbara Keller Drecksler (@barbara_keller). Jornalista e criadora de conteúdo no Devaneios de Mãe, onde posto dicas e desabafos da minha experiência como mãe de 1ª viagem da Lara (2a6m).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui