Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Decidir ter um filho é algo que deve ser muito bem pensado. Afinal, cuidar de um bebê é algo que exige muitas responsabilidades, principalmente para a mãe. Lá se foi o tempo onde a mulher tinha a obrigação de cuidar somente da casa e dos filhos.

Atualmente, elas ocupam grandes cargos nas empresas e estão, cada vez mais, conquistando o seu espaço nesse mundo corporativo. Com a chegada da maternidade, muitas se veem em um grande dilema: a escolha entre cuidar integralmente dos filhos por um período ou dar continuidade ao seu trabalho após a licença maternidade. É muito difícil conciliar as duas coisas.

É preciso escolher entre abdicar de acompanhar o crescimento do  filho e pausar a carreira, que foi conquistada com tanto esforço. É necessário coragem para qualquer uma dessas duas decisões. De algum jeito, ela ganha, mas também perde. Ganha independência financeira em poder comprar o que o filho necessita, mas perde partes do desenvolvimento do seu filho (o que jamais se recupera).

Infelizmente, a sociedade é nada empática com as mães. Elas são julgadas com olhares de desaprovação, seja qual for a sua escolha. Se a mãe retorna ao trabalho, acham um absurdo ela deixar o filho na escolinha. Se ela decide pausar a carreira, para cuidar do filho, dizem que ela faz nada em casa e que abdicar da carreira, por causa do filho, também não é certo. Não importa qual seja a escolha dela: para a sociedade, ela já está condenada e sem direito de defesa. Independente do que pensem ou digam, a mãe há de sofrer, seja qual for a sua escolha. 

A maternidade é linda, mas difícil. É uma grande bênção, mas exige muita doação. Ser mãe é, muitas vezes, abdicar do que é bom para si, por algo que seja ainda melhor para o filho. Portanto, não se culpe, seja qual for a sua escolha, pois há ninguém neste mundo que deseje o melhor para o seu filho mais do que você, e só você sabe o quanto a sua decisão vai te impactar.

O motivo diário da sua luta tem olhinhos lindos e um sorriso encantador. É com isso que você precisa se importar. O resto é farelo.


Este texto foi revisado por Samuel Andrade.

Você também pode gostar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Ops, conteúdo protegido!