Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Tem dias que só quero ser filha. Quero acordar, abrir os olhos devagar, me espreguiçar. Quero escolher só a minha roupa, escovar só o meu dente e de mais ninguém.

Tem dias que quero almoçar comida quente, sem levantar-se nenhuma vez pra pegar água ou a colher no chão. Tem dias que quero folhear uma revista, e ler uma matéria inteira sem ser interrompida.

Tem dia que quero lavar a mão cuidadosamente depois de ir ao banheiro.
Tem dias que quero chorar sozinha sem precisar disfarçar. Tem dias que quero colo, quero ser cuidada. Tem dias que quero ser só filha. Como é bom ser filha. Como é seguro ter mãe.

A mãe te olha, e se interessa pela sua vida. Te escuta e torce por cada conquista. Ela cuida. Aparece quando precisa e não precisa. Ela adia seus projetos e compromissos para que os projetos e compromissos da filha se realizem. Mãe é abrigo, a certeza de proteção. É a nossa história e a garantia de que nunca estaremos sozinhas. 

Ser mãe me fez querer ser filha da minha mãe. Ser mãe, me fez olhar para ela sem julgamentos e admirar suas escolhas. Ser mãe me conectou com outras mulheres incríveis, mães que apesar do cansaço e da solidão do dia a dia, conseguem contar histórias para seus filhos dormirem. Ser mãe me faz ter esperança e me faz querer lutar apesar de todas as adversidades.


Autora: Jessica Marzo, feminista, escritora, cientista social, mãe da Ceci e da Amora que me ensinam, no meio do caos, a olhar para as delicadezas da vida. Instagram: @jemarzo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui