Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Se você já esteve grávida ou conviveu com uma, provavelmente notou algumas alterações emocionais durante a gestação. Entretanto, elas não acabam com o parto e é sobre isso que o artigo dessa semana se propõe a discutir.

Você já ouviu falar em Baby Blues? Primeiramente o termo “Blues”, vem do gênero musical norte-americano com o mesmo nome, que significa tristeza, melancolia. O “Baby Blues” se trata de um estado emocional no qual a mulher sente um tipo de tristeza em que não existe uma causa concreta, sendo proveniente da baixa brusca de hormônios que advém com a saída da placenta que durante toda a gestação foi fonte primária da produção de estrogênio e progesterona. Esse estado tende a aparecer entre o 3° e 5° dia, podendo perdurar até a 3° semana ou 20 dias após o parto.

O Baby Blues atinge cerca de 80% das mulheres no pós-parto, não se caracteriza por um transtorno, mas por uma oscilação de humor. Entre os principais sintomas estão crises de choro, mudanças de humor (desde melancolia a euforia), irritabilidade, alterações no sono, despersonalização. Ao mesmo tempo em que essa mãe está feliz com a presença do filho, sente tristeza, ansiedade e vontade de chorar.

Muitas mulheres ao se depararem com esses sentimentos, ficam apreensivas com medo de estarem com Depressão Pós-Parto, entretanto o Baby Blues é passageiro e normalmente não necessita de intervenção profissional. Mas você deve estar se perguntando, há como se precaver?

Por ser uma questão hormonal, o aparecimento não está muito sobre o controle da mulher, entretanto, a realização de um Pré-Natal Psicológico durante toda a gestação é uma oportunidade que a mãe terá para ter consciência das possibilidades e recursos que ela poderá usar em diversas questões que irão aparecer durante a gravidez e pós-parto, incluindo o Baby Blues.

Por mais que seja normalmente passageiro, o Baby Blues causa sentimentos inquietantes nessas mulheres que acabaram de ter seus bebês, causa medo, causa preocupação se isso está relacionado a uma possibilidade de não virem amar e se conectar com seus filhos.

Fique atenta aos sintomas, não se desespere e se você já estiver em acompanhamento psicológico anteriormente, maiores serão as chances de você reconhecer e ter recursos para lidar com o Baby Blues (Tristeza Materna).

Acolho a raiva e a tristeza oculta por detrás da alegria e do amor, do orgulho e da satisfação de ter me tornado mãe (…) Iara Schmidt

Artigo anteriorCOLUNA | O que é educação respeitosa e positiva?
Próximo artigoCOLUNA | Luto, letras e literatura
Sarah Rebecca Eliziario Bonetti
Sou Psicóloga Obstétrica, atendo mulheres e suas famílias durante toda a gestação e puerpério, acolhendo suas ansiedades e medo que advém junto com a papel de ser mãe. Um dos meus princípios é ajudar que essa mulher tenha a gestação mais tranquila possível, realizando um preparação para o parto e prevenindo ao máximo a Depressão Pós Parto. Além disso, ajudo casais que lutam contra a infertilidade (uma dor que é muito incompreendida) e aqueles que infelizmente perderam seu filho, ainda na gestação ou logo após o nascimento. Contem comigo para trazer mais informações a essas mamães. Meus atendimentos são 100% online. CRP 08/30339 - (44)92000-3094

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui