Tempo de leitura: 7 minuto(s)

Desde que eu tive meu filho, minha relação com a minha mãe só piorou. Ela controla tudo que eu faço, mexe nas minhas coisas, não me deixa me relacionar com ninguém, me coloca pra baixo, não me ve com um futuro diferente a não ser o de ser mãe. Escondi minha gravidez até os 5 meses por medo dela.

A minha mãe nunca conversou sobre sexo conosco, me lembro de quando eu tinha 13 anos e escrevi um bilhetinho pra um garoto que eu gostava, ela me puxou pelo cabelo e me bateu na frente aos meus irmãos e irmãs como se eu tivesse feito algo de muito ruim e ela mal sabia que eu só fui perder a virgindade aos 19 e isso não me faz diferente de outras mulheres que perderam antes, mas me torna diferente do que ela imaginava sobre mim.

Lembro também de certo dia minha prima chegar comigo e me falar “vou falar pra titia que eu sou lésbica” e eu apoiei, (eu já estava com 3 meses e até então ninguém sabia da minha gravidez). Acompanhei ela até a minha mãe e ela lhe disse : “Tia, tenho algo pra contar para a senhora ”, e a minha mãe respondeu “só não me diz que você está gravida”, então, minha prima se assumiu e ela respondeu com um “tudo bem ”.

Eu cheguei a fugir de casa quando ela descobriu minha gravidez só pra não ter que lidar com os gritos dela, mas ela reagiu diferente, esteve presente na gestação desde então e até me acompanhou no parto. Quando meu bebê completou 9 meses de vida, precisei ir atrás de um emprego, infelizmente nunca pude contar com a ajuda do pai dele, era quase que nunca que vinha algo dele.

Foi aí que eu nem imaginava que ser mulher, mãe solo e estar de volta ao mercado seria tão ruim e mal esperava que agora, em 2020, ainda tenha que aguentar isso.

Em 2018, meu filho recebeu o possível diagnostico de Autismo e eu trabalhei muito, saia no intervalo levá-lo à terapia, voltava para o trabalho novamente e foi assim durante alguns anos.

Quando ele completou 3 anos eu não podia demorar 1 hora se quer, 15, 20, 30 ligações da minha mãe, mensagem falando que eu não amava meu filho, quando eu só tava tentando passar o caixa para o colega ou simplesmente tinha perdido o ônibus e estava esperando.

Ano passado foi horrível, ela e a minha irmã me enviavam mensagens falando que eu não era uma boa mãe, que eu não queria estar com meu filho, sendo que, desde quando veio o possível diagnóstico, eu me deixei por disponível a empresa só pra ganhar um pouco mais e pagar as terapias.

Em dezembro do ano passado o diagnostico de Autismo foi confirmado. O neuro custa R$350,00, fono R$150,00 a hora! Psicologo eu consegui gratuito, ele tem alimentação seletiva, então eu fiquei por anos e até hoje tentando comprar algo que ele coma e que seja saudável.

Eu reformei a nossa casa pra dar conforto para meu filho enquanto ela ficava com ele para eu trabalhar. Percebi que nada que eu fazia era o suficiente pra ela, às vezes surgem piadas do tipo “você é aquela que vai ter uns 5 filhos sem pai”…

Eu sinto falta de ter uma Mãe…

Há exatamente 3 meses eu havia acabado de ser contratada em outra empresa e toda vez, uma hora antes do fim do meu expediente, ela ficava me ligando desesperadamente. Certo dia na agonia de chegar cedo, peguei o ônibus errado e fui parar muito longe do meu ponto, por sorte liguei para um amigo e ele foi me buscar e me deixou em casa, bastou eu passar na porta e fui agredida pela minha mãe que puxou meu cabelo, me deu vários tapas na frente do meu filho e isso foi o que mais me doeu.

A todo momento ela diz que eu estou “doida pra engravidar novamente” e que eu não presto e que a hora que ela quisesse ela me bateria. Eu tento manter uma relação normal porque preciso da ajuda dela, mas não gostaria! Ela sempre diz que eu saio quando ela quiser que eu saia, às vezes vou ao supermercado e ela fica falando como se fosse meu filho e diz “mamãe volta logo eu vou cuspir aqui”.

Sinto falta de ter uma Mãe…

Outro dia minha irmã mais velha estava sofrendo por amor e eu vi minha mãe sentada conversando com ela e explicando as coisas, abrir a porta e perguntei se tava tudo bem e ela respondeu com um “sai daqui não é da tua conta, estou conversando com a minha filha” e eu só conseguir voltar pro quarto e tentar segurar o choro! Eu gostaria que ela conversasse comigo sem me ofender ou me agredir.

Namorei um rapaz mais novo, negro e ela fez de tudo para separar a gente e conseguiu, diz sempre que “tenho que me envolver com homem branco, pra ter filho branco porque filho preto sofre na vida”… depois disso, eu nunca mais consegui desejar “feliz Dia das Mães”. Além de Narcisista, minha mãe é racista e machista!

Tenho um irmão mais novo alcoólatra e ele faz tudo o que quer e ela defende. Outro dia ele estava bêbado, entrou no quarto e começou a manter relações sexuais onde se podia ouvir tudo do meu quarto, eu pedir pra que ela mandasse eles pararem porque havia uma criança dormindo ali, ela simplesmente respondeu com “tú também só quer implicar com teu irmão”. Ele traz mulheres semanalmente como se fosse motel, mas a errada sou eu que trabalho, que quero viver, vencer na vida e pagar as terapias do meu filho.

Sinto falta de uma Mãe para acreditar em mim, me dar conselhos, que não me bata, que respeite minha privacidade e que queira me ver feliz…

Eu não aguento mais estar presa, quero ter uma nova perspectiva de vida.

Não se prendam… voem!

Relato anônimo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui