Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Quanto será que vale uma mãe sobrecarregada, cuidando dos seus filhos, sem ao menos perceber o quanto prejudicial somos a eles, se você não se colocar como prioridade?

A pergunta equivale a uma história real, em que na posição de ter sido criada exclusivamente para agradar aos outros, não saber dizer não na maioria das vezes e que não mediava esforços para ser a melhor em tudo, única e exclusivamente para agradar os outros, a mulher e agora mãe, mesmo com seus limites na linha de chegada, não entrega os pontos, porque foi ensinada que dar conta de tudo é passar por cima de qualquer coisa, inclusive saúde mental, para concluir determinada tarefa que iniciou. 

Mas então, surge a maternidade, a turbulência, privação de sono, recuperação da via de parto, a casa uma bagunça, pia cheia de louça, pijama o dia inteiro, mas mesmo com rede de apoio é um absurdo pedir ajuda, porque isso seria fardar ao fracasso, seria não conseguir dar conta de tudo, então a mãe adoece, tem pensamentos suicidas e desastrosos com ela e com a criança, se culpa por isso, implora que alguém enxergue, porque ela não pode pedir ajuda, e dependendo da situação é julgada, afinal de contas, como pode uma recém mãe, com um filho saudável e lindo, estar triste. 

E a culpa só aumenta, a sociedade julga, as mulheres e mães julgam, e vamos vivendo sem se dar conta que não importa a decisão que seja tomada, ela precisa em primeiro lugar se voltar à nossa saúde mental, precisamos nos colocarmos em primeiro lugar para cuidar dos nossos filhos, a sobrecarga adoece e não precisamos acreditar que damos conta de tudo, porque isso não existe, foi a maior mentira que nos contaram e seguimos acreditando. 

A única e fiel verdade, é que não tem nada de errado na mãe que opta por trabalhar fora porque não tem paciência de cuidar do filho o dia inteiro, ou então optar por levar o filho na creche para concluir um projeto, ou pedir que um parente observe, para que faça as unhas, tome um banho. 

Não é possível cuidarmos de outra pessoa, se não nos colocarmos em primeiro lugar e se em determinado momento não for possível pensar em si próprio por causa da culpa que carregamos, pense no seu filho, ele precisa de você bem e isso só é possível se cuidar de você.


Autora: Alexandra Silva – @ale.antunesilva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui