Tempo de leitura: 2 minuto(s)

– Ai, ai, ai…. Dói, minha cabeça dói. Minha cabeça dói.

Paciente chorosa e com dificuldades em se comunicar. Aos poucos foi se acalmando após adentrar a sala de atendimento em minha companhia. Ela não queria conversar, queria o médico de confiança dela. Dois minutos depois aceitou minha tentativa de aproximação.

– Ai! Minha cabeça dói, moça. Aceito uma água sim.

Começamos a conversar.

– Me conte uma coisa dona M., como é essa dor? Quando começou?

– FORTE. Muito forte. Não consigo nem coar o café, faz dois meses.

Seguimos conversando, pois a dor passava de acordo com a conversa.

– Onde ela aparece? Começa rápido ou devagar? Como que é? Me conta, pra gente poder te ajudar…. Acorda em função da dor?

– Começa aqui, dói tudo… ai, ai, ai, ai. Quero um exame da cabeça, eu devo ter um tumor… Não é possível doer tanto. Na UPA fizeram exame de sangue, mas daí não dá pra ver tumor. Quero uma chapa. Parece que eu vou morrer com essa dor! – dizia a senhora de 56 anos com o braço engessado.

Eu anotava e conversava com a dona M. tentando coletar o máximo de informações para pensar em uma hipótese e ao mesmo tempo conseguia acolhê-la, pois o vínculo já havia sido formado. Cefaleia tensional ou migrânea, pensava eu.

– Mas dona M., me responde uma coisa, o que aconteceu com o seu braço? Como quebrou?

– Meu filho bateu a porta no meu braço. Aiii, aiii, aiii. Dói minha cabeça…

Ela falava e gesticulava, mas seguiu dizendo:

– Meu filho, às vezes é possuído pelo demônio. Usa droga e quebra tudo lá em casa.

Nesse dia eu, mulher e estagiária, estava diante de uma senhora vítima de violência doméstica e, provavelmente, essa era uma das tantas causas da cefaleia.

Autora

Ninace. A autora se reserva do direito de anonimato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui