Tempo de leitura: 1 minuto(s)

O bebê da trabalho, chora muito, só quer colo, só quer mamãe. O pai pega, ele chora, a avó pega, ele chora, o avô pega, ele chora.


Só quer ficar em uma posição no colo, já estou com torcicolo. Eu não gosto do meu emprego, mas todo dia desejo profundamente que minha licença acabe e eu volte ao meu habitual “PagSeguro bom dia”. Passo os dias na minha mãe por ser mais fácil pra cuidar do bebê, ela me ajuda às vezes, mas não é sempre que ela consegue.

Me sinto um peso pra ela pois nem emprego ela arruma pra me ajudar com o meu filho e eu não pago um centavo pra ela pois a situação não permite. O pai veio nos ver hoje, mas já foi, trabalha a noite pra manter nossa casa. Ele é um bom marido, faz o possível, se mata de trabalhar, me sinto até culpada de ficar com raiva as vezes, mas não consigo controlar.


Assistindo “Eu a Patroa e as Crianças”, lembro de um namorado que eu tive que era igual o Michael, fico me perguntando como seria minha vida se eu tivesse ficado com ele. Não consigo evitar, me sinto mal, mas é mais forte que eu.


Quando será que minha vida vai mudar?

Será que um dia vai ser mais tranquilo ser mãe?

Será que um dia vou parar de ficar tão triste sendo mãe?

Será que sou uma mãe ruim toda vez que eu penso que trabalhar pra me sentir livre?

Perguntas que não querem calar…

 

Autora: Uma mãe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui