Mulheres-mães protagonistas da própria história

Histéricas, nervosas, chatas, mal humoradas ou sobrecarregadas?

Histéricas, nervosas, chatas, mal humoradas ou sobrecarregadas?

Compartilhe esse artigo

Trabalho, casa limpa, roupa suja, marido, creme anti-idade, filho mais velho, filho mais novo, filho do meio, escola, supermercado, faxina, enteada, boletos, chefe, ração para o cachorro, dieta, orgânicos, academia, reunião, mãe, curso de inglês, terapia, vacina, preventivo, responder as mensagens, sogra, refeições nutritivas, louça suja, sexo, transporte escolar, pai, mensalidade, mofo no rejunte, roupa de cama, detergente, depilação, farmácia, dinheiro, café da manhã, plantas, jantar, esmalte, carência, imposto de renda, horários organizados, cabelo, aniversário, caridade, solidão, solitude, namorado, frutas, tarefa, namorada, veterinário, irmãos, banco, pandemia, férias, responsabilidades, assédio, medo, culpa e cobranças. 

A rotina de trabalho assoberbada das mulheres, o acúmulo de funções, o mito da mulher forte e guerreira não é novidade alguma, assim como a perpetuação dos papéis sociais ocupados por homens e mulheres também não é.

Ao mesmo tempo em que começamos ocupar espaços que não nos eram permitidos, em que a luta pela equidade, por direitos e contra a violência avança, nós, mulheres, estamos cada vez mais sobrecarregadas, esgotadas, cansadas e exaustas.

Não bastasse a desigualdade na distribuição das tarefas domésticas, nós mulheres, além do trabalho físico exercido diariamente, seja ele profissional ou doméstico, sofremos com a carga mental.

Um trabalho invisível, silencioso, desvalorizado, perigoso, que não permite que nossas cabeças descansem, nem mesmo quando estamos sentadas no sofá, assistindo televisão. 

São listas infinitas do que precisa ser feito, organizado e  providenciado, geralmente na cobrança pelo cuidado com o outro, ou seja, a família.

Vivemos em uma cultura que romantiza a força feminina, que cobra a perfeição, que nos generaliza com artigo definido – a mulher – como se todas fôssemos moldadas em um mesmo padrão – socialmente construído –  e que todas nos encaixamos nele. 

Nesse padrão, os cuidados com o outro, com a casa, com a família, são entendidos como algo essencialmente feminino e instintivo.

A manutenção dessa crença, que “a mulher” dá conta de tudo, que é ao mesmo tempo equilibrista e uma guerreira selvagem, sustenta o sistema que continua nos oprimindo.

E ao chegarmos ao limite do humanamente possível somos taxadas de fracas, histéricas, nervosas, chatas e mal humoradas, quando na verdade estamos cansadas e  sobrecarregadas.


Texto: Mabelly Venson. Mulher, mãe, educadora e escritora.Conversa com corações e constrói mundo imaginários – por escrito.* Instagram https://www.instagram.com/mabellyvenson/* Medium https://mabellyvenson.medium.com/


Revisado por Cristiane Araújo.

Compartilhe esse artigo

Leitura relacionada

Últimos Artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *