Tempo de leitura: 3 minuto(s)

O tédio tomou conta de nós, durante alguns dias do isolamento social, e distrair as crianças com atividades diferentes daquelas que já estavam acostumadas é um desafio. Que tal então adotar um animal de estimação?!

Muitos estudos apontam para a importância de um pet na vida de um ser humano, estimulando a melhoria de sintomas de depressão e ansiedade, aumentando assim a expectativa e a qualidade de vida das pessoas.

Durante a Pandemia, com o isolamento social e o fechamento das escolas isso ficou ainda mais nítido e comprovado, pois pudemos perceber como esses pequenos amigos auxiliaram muitas pessoas, principalmente as crianças, a passarem por esta difícil fase de muito estresse.

Como há 12 mil anos, eles continuam contribuindo e muito para a nossa sobrevivência, sendo grandes aliados ao enfrentamento do distanciamento social.        

A relação de afetividade entre os seres humanos e os animais de estimação tem sido também um tipo de terapia bastante eficaz. No Brasil, a TAA (terapia assistida por animais) não é uma novidade e auxilia no tratamento de diversas doenças e transtornos, proporcionando bem estar, saúde emocional, física, social e cognitiva tanto em idosos, adultos e, principalmente, em crianças. Os animais são sim, grandes aliados ao nosso apoio emocional.

A presença de um animal de estimação em casa, traz muitos benefícios para as crianças, em qualquer fase, mas principalmente em idade escolar.

Entre esses benefícios, estão:

  • Auxiliar no desenvolvimento emocional e na autoestima da criança;
  • Ser uma boa companhia para brincadeiras;
  • Ensinar sobre a vida;
  • Ajudar a despertar a consciência para valores como respeito;
  • Estimular a responsabilidade;
  • Desenvolver habilidades sociais;
  • Melhorar a resposta imunológica das crianças;
  • Melhorar do sistema cognitivo;
  • Incentivar novas aprendizagens;
  • Estimular a apreciação pela biologia e ciências naturais;
  • Melhorar o condicionamento físico;
  • Proporcionar segurança e confiança;
  • Fortalecer os laços familiares;
  • Desenvolver a empatia;
  • Proporcionar uma vida saudável.

Por aqui, adotamos uma tartaruga tigre d`água, ou melhor, trouxemos ela da casa dos meus pais para viver com a gente. Ela foi presente do meu cunhado para minha filha a uns três anos mas como passávamos o dia todo fora trabalhando, optamos em deixar ela na casa do vovô e da vovó, já que era lá também que minha filha passava as manhãs, até a hora de ir para a escola.

No início do mês de julho, depois de três meses sem visitar os avós e sua tartaruguinha minha filha pediu para trazê-la para viver com a gente. No começo ela estranhou um pouco, mas já está se adaptando ao novo lar.

A chegada desse novo membro em nossa família nos deu um novo ânimo e também mexeu com a nossa rotina, que agora envolve a limpeza do aquário (construído por nós), a alimentação da nossa amiguinha e o banho de sol matinal.

 Vira e mexe nos pegamos conversando com nossa Toti!

A quarentena é sim um bom momento para adotar um pet, mas é importante fazer isso com responsabilidade e cuidado para não agir por impulso, pensando principalmente no espaço, no tempo, na rotina e na situação financeira da família pós-pandemia e no bem-estar dos bichinhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui