Mulheres-mães protagonistas da própria história

Setembro Amarelo: Desabafo de um luto

Setembro Amarelo: Desabafo de um luto

Compartilhe esse artigo

Setembro é um mês de prevenção ao suicídio, e penso que deveria ser de APOIO ÀS FAMÍLIAS DAS VÍTIMAS também.

Depressão não é frescura!
Depressão não é palhaçada!
Depressão não é mi mi mi!
Depressão é uma doença e precisa de tratamento. Isso é fato!

Mas, outro fato é que as pessoas que não passaram por isso, talvez não tenham consciência de que, quando a depressão tira uma vida, não tira só de quem se foi, ela tira também dos que ficaram.

Daqueles que ficaram sem chão, sem respostas, sem a pessoa AMADA e quase sempre sem a compreensão dos outros. Porque, quando alguém que se ama se vai, fica a dor da perda, a dor do vazio, a dor de sentir que falhou em algum momento.

A dor de saber que, embora tenha travado uma luta pela vida com “queda de braços”, “cabo de guerra”, tenha pedido reforços espiritual (Deus), reforços físicos (meditação, pilates), reforços emocionais (acompanhamento familiar, psicólogo, psiquiatra), reforços químicos (remédios, tratamentos), que tudo que se fez não foi suficiente, você falhou, você perdeu.

Perdeu para a doença, perdeu a quem se AMAVA muito!
Então, fica o meu pedido: Quando vir, souber de uma família enlutada, seja por qualquer perda, mas, sobretudo, para o suicídio:
NÃO JULGUE, NÃO CRITIQUE aquela pessoa que, em sua fragilidade, não conseguiu prosseguir.

NÃO JULGUE, NÃO CRITIQUE a família que já está dilacerada por sua perda, pela sensação de fracasso, sem respostas e com muitos questionamentos também.

NÃO APONTE O DEDO, não procure falhas (todos nós falhamos), não procure motivos para justificar o injustificável – assim como qualquer outra doença, depressão mata – A família não precisa de acusadores, precisa de mãos amigas, de ombro para consolo, de alguém para enxugar as lágrimas.

Diante de tanta dor, não precisa que mais um dos seus, também, entre em depressão. Você não sabe de toda a história, apenas uma parte dela.

Então, se não puder ajudar e confortar, NÃO fale, se cale e se afaste! NÃO faça da dor do outro um motivo de plateia. Só ore, reze e peça a Deus por essa família. Porque DÓI a alma, DÓI o corpo e DÓI o espírito. E essa dor, se não tratada, também pode virar depressão.

Conscientize-se, não aumente a dor dos outros. Por prevenção eu peço, por favor, RESPEITE OS ENLUTADOS. TODOS PELA VIDA!

Por Clara Elaine – @claraelaines

Compartilhe esse artigo

Leitura relacionada

Últimos Artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *