Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Eu pedi para ele ir embora. Achei que precisava ser solteira, que precisava de um tempo só para mim, precisava sair para me divertir sozinha. Me arrependi na mesma semana, mas já era tarde demais.

Pedi para ele voltar várias e várias vezes, mas ele não quis, disse que está feliz e que não me ama mais. Eu entrei em desespero, perdi o chão, descobri que o amava de verdade e que queria passar o resto da minha vida ao lado dele, mas era tarde demais.

Mas, o que quase me matou, quase fez com que eu desse fim nisso tudo foi quando um dia desses a noite, depois que ele deixou a bebê comigo e foi embora sem olhar para trás, como fazia dia sim e dia não, sentei no chão do quarto e comecei a chorar desesperadamente, tremendo e soluçando, sem conseguir controlar tanta tristeza.

Sempre chorei escondido dela, para que não visse o tamanho da tristeza e da culpa que eu carregava comigo, só que, esse dia não consegui. Ela veio perto de mim e parou na minha frente observando… uma cena que nunca tinha visto antes, curiosa com um sorrisinho, chegou bem pertinho de mim e colocou a mão no meu rosto.

Naquele momento, eu parei de respirar, meu coração estava batendo acelerado com uma dor lancinante em cada pulsação, mas eu engoli o choro e encarei seus olhinhos tão pequenos e determinados. – “Não choa, papai tabaiá. Chá vem”… Eu achei que nunca me sentiria pior na vida, chorei mais ainda porque é exatamente o que eu falo para ela quando ele vai embora e ela começa a chorar.

Todos os dias eu a acalmava com aquela frase, aquela mentira, e naquele dia ela fez o mesmo comigo, queria me acalmar. Depois de abraçá-la forte e dizer o quanto eu a amava, enxuguei as lágrimas, levantei e fui lavar a louça.

O que aconteceu com a minha vida?

Autora: Laila Lucas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui