Mulheres-mães protagonistas da própria história

Quando a mãe adoece

Compartilhe esse artigo

A palavra cuidado vem do termo em latim “cogitare” (pensar, planejar). Logo, cuidar significa pensar, planejar a ação de, preocupar-se, responsabilizar-se… enfim, são muitos os sentidos para essa palavra. Mas quando nos referimos ao cuidado materno, os termos preocupação, planejamento, atenção e responsabilidade quase se tornam sinônimos para a maternidade, não é mesmo?


E quando a mãe adoece? Quem é que cuida de quem cuida?
Quando uma mãe adoece, a última coisa com o que ela se preocupa é com a sua condição, com o seu próprio cuidado! Até quando adoece a mãe tem que lidar com a sobrecarga de expectativas, medos e inseguranças. Quem cuidará dos seus filhos? Será que saberão lidar com a rotina que ela organizou com tanto esforço e dedicação? Como ficarão os filhos sem a mãe? Sentirão sua falta?

Como mãe que já passou duas vezes por essa experiência, venho lhes dizer: tudo se ajeita!
Por melhor e mais dedicada que você seja (perfeita para os seus filhotes), você não é insubstituível! Se tiver sorte, terá outra mãe (a sua mesmo!) que cuidará dos netos com carinho e apreço.

Talvez não siga a sua rotina, mas estabeleça um novo ritmo junto às crianças. Uma rede de apoio se formará para te auxiliar em cada pequeno detalhe. Às vezes, a ajuda vem da própria família, outras vezes, de corações amigos dispostos a te dar o suporte necessário.


E, aí, quando você – mãe – adoece, você aprende que precisa se cuidar!
Já passei por duas experiências em que fiquei hospitalizada por algumas semanas longe dos meus filhos. Ficar sozinha era tudo o que eu mais queria, ter um tempo pra mim, para meus pensamentos, pra descobrir o que eu gosto, etc. Mas lógico que eu queria passar esse tempo num resort, numa praia, num clube, em qualquer lugar – menos num hospital! E nesse tempo de pausa forçada compreendi que se eu morresse, a vida dos meus filhos continuaria. Não seria como eu “planejo” todo santo dia, pensando em cada detalhe, mas seria como poderia ser! E assim é!


Diante de situações como essa, algumas reflexões ficam:


1º) Beba água, muita água! (Experiência de quem já passou por três cirurgias nos rins!)
2º) Busque se libertar das mágoas e tristezas…deixe essas pedras pelo caminho…passado é passado e carregar esse peso extra traz consequências muito sérias! (físicas e psicológicas)
3º) Arrume um tempo para cuidar de você! Ouvir uma música, ler algumas páginas daquele livro que há muito tempo você deseja, tomar um café com calma, comer algo que gosta ou, simplesmente, olhar pela janela e ver a vida passar. Na vida de uma mãe, os minutos são preciosos e uma pequena pausa pode fazer diferença!


Quando uma mãe adoece, muito mais do que um sinal do corpo, é um sinal da alma mostrando que é preciso se cuidar para cuidar!

Por Cláudia Cristina de Oliveira Pereira – @claudiacopereira

Compartilhe esse artigo

Leitura relacionada

Últimos Artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *