Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Antes de ter filhos, na minha cabecinha ansiosa, era algo que me deixava aflita. Quando o ano terminava eu sentia que as coisas tinham sido lentas, sempre sentia que faltava algo na minha percepção de valorização ao tempo.

Depois de ser mãe, percebi que 1 ano é o suficiente para gigantes e incríveis mudanças. Em um ano, uma gravidez se torna uma vida, um coração pulsante, um bebê que vê no seu corpo o dele. Em um ano, o bebê também passa a perceber que o corpo dele e da sua mãe, são corpos diferentes, em um ano o bebê já não quer morar no seu colo para sempre.

Em um ano, o bebê já começa se entregar pro mundo, explorar sabores, cheiros, cores e texturas. E depois de 1 ano, tudo avança tão rápido, tão lindo, mas tão saudoso. Às vezes ainda peço por momentos só meus, mas eu amo quando o Apolo mesmo com toda sua independência dos 3 anos, olha para mim com a carinha do gato de botas e fala: “Colinho mamãe” ou então “quero você mamãe”!

Crie com afeto, crie com apego, crie pra nanar no colo, porque em um ano, tudo muda, e quando você perceber, cresceu. 


Autora: @luamaria.art. Tenho 22 anos, sou mãe do Apolo Valentin de 3A+2m e do Gael de 5m, sou comunicadora Digital, poeta Slammer, compositora através do RAP exponho minha vivência da maternidade solo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui