Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Que você ficará doidona em um nível jamais imaginado durante o primeiro ano de vida da criança;

Que as pessoas projetam o choro engasgado, trauma de infância e toda sorte de conteúdo emocional reprimido no dorso de seu filho;

Que o mundo espera que você encarne o Arquétipo da Virgem Maria com todo seu esplendor, e ai de ti não ser pura, devotada, sacrificada e resignada; isso significaria admitir/lidar com a humanidade da própria mãe. E isso, meu amigo, isso é inadmissível;

Que os grupos maternos podem ser campos de disputas egóicas surreais e dissimuladas, deixando qualquer ambiente corporativo no chinelo;

Esse todo mundo sabe, mas é um tanto estranho ver na prática: o outro sentirá ciúme de sua relação com seu filho;

Que junto com o papel materno vem a culpa acoplada. Não bastasse a culpa auto-infligida, há a culpa que a sociedade insiste em nos empurrar goela abaixo. A criança dá um peido e “ALÁ, CULPA DA MÃE QUE DEIXA O PIVETE O DIA INTEIRO NO TABLET.”

Dizem que amamentar é difícil, mas e o desmame? Mano… Nunca engoli esse papo de tábula rasa, agora menos ainda: como é lindo ver um indivíduo nascendo, se manifestando, se espalhando e se formando.

Olha isso não é do pai, hmm mas também, não é da mãe, hmm será que saiu a tia? Nah, isso é pura e simplesmente ela, toda bela, luz e sombra, humana, demasiado humana. Serumaninha. O quão impressionante, belo e fantástico é ver a vida manifestada em forma de cria.

Já se passaram quatro anos, mas ainda me flagro em constante estado de espanto. É a vida ali, pura, simplesmente. E isso é lindo e bizarro.

Bota bizarro nisso.

Autora

Ava Elizabeth é oraculista, agente de viagens, beatlemaníaca, escrevinhadora e mãe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui