Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Tenho pensado nisso há vários dias, já adianto que não encontrei respostas, mas gostaria de iniciar uma discussão entre nós e quem sabe encontrarmos um caminho de sermos fortes juntas.

Meu ponto de partida veio de uma pergunta que me pareceu ser simples: quando eu me tornei uma mulher forte? E pensando bem não é tão simples assim de responder. Eu não me tornei forte, eu sempre precisei ser, e com o passar do tempo, as pessoas (todas elas) que sabem o quanto sou forte imaginam que não preciso de nada.

Afinal de contas, sempre resolvo tudo. Palavra de ânimo? Tenho. Ser a frente do meu tempo? Sou. É bem informada? Sim. Estuda? Muito. Trabalha? Mais do que deveria. Cuida da casa, do filho e do marido? Até demais. Ajuda nas tarefas escolares? E como. Paga suas contas? O sonho era não ter conta para pagar. Ajuda quem precisa? Sim, e as pessoas me pedem favores como se eu não tivesse estudado para fazer o que faço.

Mas acredito que o problema está aí, ser multitarefas, está sempre disposta, ter sempre um objetivo, uma causa, algo para conquistar, e isso transparece que você pode conquistar o mundo e não precisa de ninguém. Sou esse “mulherão da porra” mesmo, equilibro minha vida pessoal com a profissional quase como uma malabarista, desempenho vários papéis, mas isso não me torna menos humana, isso não me faz ser a dona da razão, não quer dizer que todos os dias são bons, que estou sempre disposta, que não tenho problemas, e pasmem muitas vezes, não sei como resolvê-los.

Erro como mãe, como filha, como esposa, como mulher, as vezes dói mais, as vezes menos, e defini que meu único objetivo é viver um dia por vez, tentando ser melhor que ontem e estendendo a mão a outras mulheres que passam a mesma pressão, sinta-se abraçada, não somos máquinas, não temos que dar conta de tudo, e tá tudo bem!

Por mais que você se sinta só, apesar de fisicamente estar, saiba que há milhares de mulheres se sentindo como você, só precisamos nos encontrar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui