Tempo de leitura: 4 minuto(s)

A quarentena já trouxe diversas tristezas além das consequências do Covid19. Entre notícias como aumento da violência doméstica, a criança de 10 anos grávida do tio; veio algo que me deixou boquiaberta.

O canal no TikTok “quarentenados” mostrava a rotina de duas famílias. Parecia que a CRIANÇA de 12 anos, Rafa, e o RAPAZ de 19, Pietro, eram irmãos.

Pasmem: assumiram namoro. Postaram vídeo chamando de haters as pessoas que falavam a verdade sobre o assunto: o nome disso não é “namoro” e sim, abuso de menor. Pietro está sendo chamado de pedófilo. O casal fez até vídeo avisando que não falariam mais no assunto.

E as mães dos dois apoiam esse “namoro”. Diante de tanta repercussão, a conta no TikTok caiu. Eles postaram vídeo na nova conta e avisaram nas redes sociais que era “trolagem”. Pietro disse até ser gay.

Teve vídeo como “casalzinho”, de “ciuminho” e de beijo. A trolagem nesse caso, é da necessidade de likes, da falta de conhecimento dos pais, a respeito do Estatuto da Criança e do Adolescente. E algo bem lamentável: a adultização de crianças.

Diante de tudo isso, senti a necessidade de falar sobre alguns pontos:

Necessidade de likes

Até onde as pessoas vão em busca dessa aceitação/aprovação na internet? Dessa fama passageira? O canal antigo chegou a ter 14 mil seguidores. Era só um jeito de driblar o tédio. Acabou mostrando bem mais do que isso.

Adultização de crianças

Uma pessoinha de 12 anos não está preparada pra enxurrada da internet. A história da MC Melody antes da atual situação (após interferência do Ministério Público) está aí pra todos acompanharem.

Seria isso algum tipo de projeção dos adultos/pais dessas crianças em busca de fama? Precisamos proteger os nossos filhos.

A fama da internet é passageira. E de quê adianta ter tantos seguidores? Tanta exposição da própria vida? Olha quanta história essa menina de 12 anos têm pra contar. Por negligência dos pais.

O Mundo mudou… Muita coisa que era errada virou certa, como diz Dinho Ouro Preto. Mas menor não deve ter relacionamento amoroso. Nem virtual.

Abuso de menor

Com “autorização” dos pais ou não, trata-se de Estupro de Vulnerável (artigo 217 – CP).

Não interessa a idade e o que a criança diz querer. Até 18 anos, não há namoro. Criança não namora. Brinca e estuda.

Peso da reação popular nas redes sociais

Será que essa Rafa/12 anos tem condições de aguentar agora o chumbo das pessoas na internet dizendo essa verdade?

Se a criança quer ter TikTok, que tenha. Do jeitinho dela. Nada de namorico, dancinha sensual ou foto em piscina. Por favor!!! São “só” crianças!

Eu, aos 12 anos, fazia toalhinhas de ponto cruz pra vender na porta da escola e ter o meu dinheiro. Beijei aos 17 anos. Iniciei a minha vida sexual aos 19 anos. E foi tudo no tempo certo, do jeito que eu escolhi.

Essa criança conhece esse rapaz desde quando tinha 10 anos. Pergunto: onde estão os valores dos pais dela? E ele tinha 17… Também fica meu questionamento: onde estão os valores dos pais dele?

Eu tenho um filho de 1 ano de 10 meses. Se quando tiver 17 anos vier com papinho de que quer namorar uma CRIANÇA de 12 anos, ficarei bem decepcionada. Ele vai aprender desde cedo a respeitar as mulheres. A ver alguma em situação de perigo por causa de algum abusador e ajudar.

Vamos preservar ao máximo nossas crianças. Nós, adultos já sofremos horrores na vida amorosa. As crianças não tem estrutura psicológica pra entrar nesse caminho.

Cada coisa a seu tempo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui