Mulheres-mães protagonistas da própria história

Aquilombar e ver a beleza ao redor

Aquilombar e ver a beleza ao redor

Compartilhe esse artigo

Uma pesquisa encomendada pela GQ Brasil ao Instituto Ideia tem “bombado” nas redes sociais: o que pensa o homem médio brasileiro. O resultado que mais “causou” nas redes foi a constatação de que apenas 3% dos homens se acham feios. O interessante é que outros itens da pesquisa sobre esse perfil não “bombaram” tanto, como o fato de que 34% apoiam o feminismo, 58% são a favor da criminalização do aborto e 44% ainda considera a virgindade importante. O que demonstra como o critério beleza ainda é o que mais importa nesta tal sociedade líquida.

Enquanto apenas 3% dos homens se acham feios, em outra pesquisa realizada pela Empresa Dove revela que 96% das mulheres não se consideram bonitas.

Segundo a pesquisadora Miriam Goldberg, em nossa sociedade o corpo da mulher é um capital com novos modelos a serem imitados: cada vez mais jovens e magras. Eu acrescentaria e agora, muitas de nós, expressões harmonizadas. Essa constatação é tão real que não me espantou que homens tenham opinado tão alto em itens que não dizem respeito aos seus corpos, como virgindade ou a decisão por abortar.

O que percebo é, ao mesmo tempo, que alcançamos a liberdade feminina do “meu corpo, minhas regras”, seguimos regidas por exigências de modelos biomédicos e sociais que esculpem nossos corpos. Qual é a saída, então, para nós mulheres diante dessa realidade? Fazendo um belo gancho de esquerda com o último texto que escrevi sobre a “preciosidade da representação”, nossa saída são as representações, é a diversidade.
Quanto mais vemos mulheres se sentindo confortáveis em sua própria pele, mas livres outras mulheres se sentem para serem o que desejam.

Vocês até podem me perguntar como é essa mágica. Na prática, identificar mulheres autênticas, partilhar relatos com elas, aquilombar me torna mais livre para ser quem eu sou. A partir daí, consegui ver a beleza dos meus braços, da minha barriga, perceber que minha existência é transgredir.

O ato de nos cercarmos do que nos aproxima de quem somos pode ser um caminho importante para atravessar as inquietudes e contradições dos tempos atuais. Há força num corte de cabelo, num batom vermelho, numa mulher usando biquíni, na vizinha com os cabelos brancos. Veja o que te emociona, a beleza que existe ao seu redor e vá ser feliz.

Compartilhe esse artigo

Leitura relacionada

Últimos Artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *