No meu parto

#NoMeuParto é uma campanha da Revista Mães que Escrevem que visa contar histórias de mulheres que sofreram violência obstétrica. A ideia é conscientizar que violência obstétrica existe e que o apoio e informação são importantes para fazer valer direitos no momento de dar a luz. A ideia é abraçar a todas sem julgamento, por isso, relatos de cesarianas, partos em casa, no hospital e etc., serão aceitos e relatados em nosso site e redes sociais. Baixe aqui o PDF para compartilhar.

Veja abaixo, ações consideradas violência obstétrica:

O que é Violência Obstétrica?

– Tratamento humilhante;
– Agressões verbais;
– Recusa de atendimento;
– Privação de acompanhante;
– Realização de intervenções e procedimentos médicos não necessários.

O que é Ponto do Marido?

O “Ponto do Marido” é um ponto que se faz ao término da sutura de uma Episiotomia, onde se ‘aperta’ a entrada da vagina, com o intuito de torná-la mais estreita, teoricamente aumentando a satisfação sexual do marido.

O que é Episiotomia?

Episiotomia é uma incisão efetuada na região do períneo (área muscular entre a vagina e o ânus) para ampliar o canal de parto.

Como evitar passar pela violência?

Informe-se: Leia, pesquise sobre partos naturais/normais, busque dados sobre violência obstétrica, converse com outras mulheres e passe a informação para outras mulheres da sua comunidade.

Faça um plano de parto: Plano de Parto é uma ferramenta que pode garantir uma melhor qualidade na assistência do seu parto e uma experiência mais satisfatória dele.

Faça valer seus direitos: Ligue para 180 e denuncie; é possível denunciar o hospital junto ao Ministério Público.

Passou por essas ou outras situações referentes à violência obstétrica? Envie seu relato que também pode ser anônimo. Estamos juntas nessa.